Fórmula Química

Avessos de Couro x Avessos Sintéticos: Vantagens e Desvantagens.

Por: Marcus Schmidt em 31.10.2014

 

Avessos são materiais laminares sintéticos ou de origem natural usados na região do traseiro pela parte interna de calçados.
A principal finalidade de um avesso é assegurar que o calçado não caia do pé durante o caminhar. E para atingir esta finalidade, este componente deve possuir certo grau de aderência, ou seja, exercer determinado atrito contra o pé, com ou sem meia. "É também de fundamental importância que este material tenha alta capacidade de absorção de umidade e grande facilidade de dessorver (liberar novamente) a umidade adquirida (suor). Além disso, é indispensável que tenha alta resistência a fricção, já que é uma das regiões do calçado (parte interna) onde ocorre maior atrito. Os avessos podem ser fabricados em espessuras adequadas para cada modelo ou tipo de calçado (esporte, infantil, social).


14139090219003bc3a.jpg

AVESSOS DE COURO


TIPOS DE COURO - os avessos de couro são basicamente produzidos a partir de três tipos de couro:


1) Porco: Este avesso é o mais comum,o mais tradicional em nosso meio. Apresenta uma excelente performance de uso e processabilidade. "Pode-se dizer que este é o material nº 1 devido a sua estrutura fibrosa e sua porosidade natural, quando levados em conta, performance, preço e disponibilidade."
Uma das principais desvantagens deste produto é a dificuldade em tingir estes materiais de maneira adequada, de forma a não liberarem posteriormente as anilinas para o pé ou para a meia. "Esta dificuldade de tingimento é própria deste tipo de couro principalmente devido ao alto teor de graxas naturais contidas neste material”.

 

 

2) Carneiro: O couro de carneiro é um material extremamente macio, confortável e de excelente aderência sobre o pé. Possui uma estrutura fibrosa tal que age como se fosse um material elastomérico expandido com células abertas. Isto faz com que possua uma excelente capacidade de absorção de líquidos e uma rápida dissipação dos mesmos quando em repouso (não em uso).
Do ponto de vista de disponibilidade, este material é de difícil obtenção em nosso mercado. E isto acontece não por dificuldades de curtimento ou obtenção, mas sim por não existirem indústrias que o produzam e nem tradição de seu uso em nosso meio.

3) Raspa: A raspa é um material de última linha em termos de performance de uso por ser mais rústico e de menor capacidade de aderência e de absorção de suor. "Além disso" "a raspa, por sua própria estrutura, constituída por fibras grossas, não oferece características de maciez e conforto como a pele de porco ou de carneiro."
Todos estes materiais de origem natural estão sujeitos a um mercado de oferta e procura, além de causas naturais como: doenças, adversidades climatológicas, etc. "O custo destes materiais flutua muito e sua disponibilidade é inconstante.”


AVESSOS SINTÉTICOS
Os avessos sintéticos surgiram justamente para suprir a inconstância de qualidade, disponibilidade e preço, típica dos produtos naturais. "Os sintéticos também permitem um aproveitamento praticamente total da superfície do material, o que não é válido para os produtos de origem natural que possuem regiões vazias, marcas, perfuros, além de serem superfícies irregulares".

 

Ribras

CONSTITUIÇÃO - A maioria dos avessos sintéticos são constituídos de uma estrutura fibrosa tecida, ou não tecida (non-woven) impregnada com produtos sintéticos tais como: polímeros acrílicos, uretânicos, nitrílicos, butadiênicos, ou copolímeros de acrílicos com SBR, e outros.
A base fibrosa do tipo non-woven, onde as fibras são à base de poliéster, é o material mais usado para a fabricação de avessos sintéticos. No entanto por não possuir uma boa resistência a tração por perfuro (costura) o non-woven utilizado para fabricação de avesso deve passar pelo processo de aguIhamento. Este processo aumenta a resistência ao rasgo e ao desfiamento.
"Para a confecção de um bom avesso é de fundamental importância o grau de aguIhamento dado ao non-woven e a densidade de fibras por centímetro quadrado."
Vale lembrar que além dos avessos à base de non-woven existem aqueles à base de materiais tecidos, que praticamente não são utilizados em nosso meio devido ao seu alto custo, difícil processabilidade e falta de disponibilidade.
As resinas de impregnação utilizadas para fabricação dos avessos devem ser flexíveis, elásticas (resilientes), resistentes ao suor, água e calor. Elas têm a função de fazer o avesso aderir sobre a superfície do pé e impedir que o sapato jogue ou caia. Entre os vários polímeros anteriormente mencionados, destaca a borracha nitrílica vulcanizada que reúne estas propriedades importantes (aderência, flexibilidade, resistência à água).


A resistência ao calor deste polímero é importante, pois durante o processo de fabricação do calçados, principalmente na conformação, o mesmo é submetido a altas temperaturas, que variam de 90°C a 120°C de acordo com o processo adotado.
Se este polímero não tiver resistência ao calor, ocorrerá um amassamento e um colapso de toda estrutura do avesso, não retornando mais a forma original. Esta estrutura amassada torna-se lisa, não possuindo mais as funções de avesso.


PROCESSABlLlDADE - Os avessos sintéticos são facilmente processados na indústria calçadista. Isto significa que não oferecem problemas no processo de corte, de costura e de colagem.
No que diz respeito ao corte, deve ser obedecida a orientação determinada pelo fabricante. Isto porque, apesar da matriz do avesso sintético ser non-woven, este material apresenta uma certa orientação de fios que determina direções de maior ou menor elasticidade.


PROBLEMAS TÉCNICOS QUE OS AVESSOS SINTÉTICOS PODEM APRESENTAR
 

Manchamento de melas e pés: Muitas empresas adotam a compra de 'avessos sintéticos na cor branca ou incolor e processam o seu tingimento de acordo com a necessidade.
"Analisando a composição de um avesso sintético verificamos que temos a presença de dois componentes diferentes quimicamente: um é o poliéster que constitui a fibra do não tecido, o outro, um material elastomérico, normalmente borracha nitrílica vulcanizada."
Quando queremos tingir um produto composto, por sua vez, por dois componentes químicos tão diferentes, encontramos sérias dificuldades. O poliéster exige um tingimento específico para o qual são necessários mordentes especiais. Já a borracha nitrílica não pode ser tingida; poderá no máximo ser pintada superficialmente, sendo neste caso necessária a utilização de uma resina de fixação para o corante ou pigmento escolhido.
Portanto “não é uma tarefa fácil dar cor a estes produtos”. O que comumente acontece é que as indústrias de calçados entregam estes materiais para serem tingidos por empresas que não conhecem o tingimento de fibras sintéticas.


14139090464b856439de97.jpg

 Por exemplo, os avessos sintéticos tingidos com anilinas do grupo complexo metálico, que não têm a mínima fixação sobre o poliéster nem sobre a borracha; conseqüentemente produtos desta ordem irão causar sérios aborrecimentos ao consumidor, ao lojista, ao exportador e ao fabricante.


Cabe ressaltar que tentando resolver o problema de tingimento, alguns fabricantes de avessos sintéticos estão colocando no mercado estes produtos já na cor "atravessado".
"Esses avessos fabricados na cor já na origem possuem excelente resistência ao manchamento."
 
Segundo normas internacionais não se aceita materiais que mancham tanto meias, como pés.
 
Vale destacar aqui que este tipo de problema é facilmente detectável previamente submetendo-se o avesso ao ensaio de fricção no equipamento de laboratório "Veslic".
 

Desgaste de melas: Tem-se observado que a partir do momento em que foram introduzidos os avessos sintéticos no mercado, surgiram problemas como desgaste precoce nas meias no lugar do calcanhar. No entanto, este fenômeno não acontece com todos os avessos. "Existem algumas marcas no mercado que apresentam comportamento normal, mas também um grande número delas com qualidade inferior com referência a este problema. Dos materiais oferecidos ao mercado nacional, alguns são fabricados no Brasil, outros, importados pelo sistema drawback, sendo estes em grande número."

141390906342ba33fe509.jpg

 

 

O avesso sintético por ser constituído de fibras de poliéster, preenchidas internamente com um elastômero, possui na sua superfície o afloramento das fibras de poliéster, que têm contato direto com as meias. 

Para tornar o avesso aveludado é comum lixá-lo superficialmente. A fibra de poliéster é um material extremamente abrasivo, sendo inclusive utilizado para polimento de metais.
Um avesso produzirá tanto mais desgaste sobre as meias quanto mais fibras de poliéster estiverem expostas e em contato com as mesmas.
O grau de abrasão de avessos pode ser testado em laboratório, sempre utilizando o couro de porco como padrão, no equipamento "TaberAbrasionTester".
Estão sendo desenvolvidos atualmente avessos com materiais com menor Indica de abrasão, com intuito de diminuir este atrito excessivo.

 

 

Enovelamento: É freqüente ocorrer um enovelamento superficial dos avessos sintéticos durante o seu uso. Isto ocorre devido ao insuficiente agulhamento do non-woven e também em função da falta de adesão do material elastomérico às fibras de poliéster. 

Avesso

 

Este é um problema que depõe principalmente contra o aspecto visual do calçado. "Em muitos casos o enovelamento chega a um ponto tal que os pequenos nós formados pelas fibras machucam o calcanhar."
Este tipo de defeito pode ser previamente diagnosticado testando o material no equipamento de teste de fricção denominado "Veslic".

 

Enrugamento: Os avessos quando não suficientemente impregnados apresentam a superfície enrugada ao serem flexionados. Seu aspecto é semelhante a um couro de flor solta.
"Os avessos desse tipo quando conformados sobre uma fôrma apresentam inúmeras rugas e pregas, que depõem contra a estética e a performance de uso dos calçados. De acordo com sua localização, estas pregas e rugas produzem bolhas nos pés do usuário. "


Avesso 

 


 

Rasgo na costura: O grau de agulhamento do non-woven utilizado para confecção de avessos é diretamente proporcional a resistência ao rasgo por perfuro ou resistência ao rasgo na costura. No entanto, "quando o avesso não está suficientemente aderido sobre o contraforte poderá ocorrer durante o uso um rasgamento na zona da costura, em função do atrito do pé principalmente no momento de calçar ou descalçar o sapato" (Marcus M. Schmidt).




Nenhum comentário

Deixe seu comentário



Fórmula Química
 - Rua Três de Maio, 20
São Jorge - Novo Hamburgo - RS - CEP 93534-430 - Telefone: 51 3066.4148